Poesía de Remisson Aniceto desde Brasil

Pequeña bibliografía:
Poesia para o mundo, Bubok (2009)
Todo dia é dia de poesia, iG Editores, Stella Maris/Pão-de-Açúcar - SP - (2002)
Palavras de Poetas, Physis Editora - SP - (1997)
Novos talentos da poesia brasileira, Forever Editora - SP - (1995)
Escrevo nos espaços que me restam, Editora Bauhaus - SP - (1982)


Nacido en la pequeña ciudad brasileña de Nova Era, cerca de Itabira de Carlos Drummond de Andrade, su sueño era un día escalar las montañas para verlo (después de todo, eran vecinos), pero el gran poeta había advertido mucho antes: "Tenía una piedra en medio del camino". Algunos años más tarde (1987), Drummond viajó y nunca reapareció. Remisson escribe cuentos, poemas y reseñas para algunos sitios especializados en literatura y sus textos están en la Revista Internacional de Poesía de Rosario, Revista Partes, Revista Bacamarte, en la web Auténtica Poesía (el verso con rima y medida) y otras.
Ganador de algunos prémios de cuentos y poesía, el poeta mantiene el blog "Poesia para o mundo", un espacio abierto a todos los que aprecian la buena literatura.

Aquí publicamos una muestra de su obra
que nos envía cariñosamente:

Áurea

Hago poemas
en versos negros
y versos blancos
para que todo poema
sea libre.

***

Insurrecto

Misérrima
vida
de favela
que viví.
Desvalida
vida ávida
desprovista,
vida sin brío,
bajo puentes,
sobre ríos.
La vi vil,
hostil,
dividida.
Quisiera verla
a la luz de velas,
vajillas...
¡Ah! Vida vil,
vil vida.
¿Vio vida más vil?
¿Vio?
Oh Orco!
Al verme
vil gusano,
osaré verla
in extremis
a la luz de velas!

***

Envoltura

¿Idiota! ¿No ves que nada eres?
Apenas fina capa mohosa te protege
de la podredumbre. Gusanos hambrientos te rodean.
¿Ignoras que en un pase mágico, en un segundo apenas
cae por tierra toda la altivez y el bello
papel de regalo revela la fétida masa?
El gusto amargo de la hiel, la visión incierta,
el torcerse de las piernas, el descontrol total...
todo es inevitable!
Cualquier día serás presa fácil:
el tiempo es impiedoso.
El trágico fin no depende de tu voluntad.
La arrogancia que derramas no pasa
de ser faceta inútil de tus diversas faces
vanas y mundanas.
Al sol poniente, el rostro marchito y los huesos corroídos
dolerán más que en aquellos que tuvieron
la precaución y el buen tino de ser
simples y ocultos.
Quedarán tus lindos cabellos...
¿Y qué utilidad tendrán tus cabellos, hilos
huérfanos y subterráneos, dispersos, opacos
sobre los huesos.

***

Transición

¡Es tan frío el hueco, tan oscuro el huerto
donde depositan mi cuerpo doliente!
—¿Cómo el hueco es frío si el cuerpo está muerto?
A partir de ahora sólo el alma siente...

Ah! Esta cama tosca donde estoy echado
y este cuarto oscuro y tan bien cerrado!
Quiero levantarme, pero estoy cansado...
¿Que rumor es ese en el cuarto al lado?

Hay un jardín cerca: siento aroma a flores.
Quiero levantarme, pero estoy cansado...
Estoy tan cansado pero sin dolores.
Y el rumor aumenta en el cuarto al lado.

—¡Bajen el cajón!— dice alguno ahora.
¿Quién murió en tanto estuve durmiendo?
Cercano a la puerta oigo alguien que llora,
lamenta la suerte de quien va partiendo.

Quiero levantarme, con fuerza tamaña
inertes mis manos y mi cuerpo duro.
Reza el sacerdote en una lengua extraña,
mientras quedo preso de este cuarto oscuro.

Va cayendo tierra sobre mi tejado.
Parece que el mundo se está derrumbando...
El aire me falta del cuarto cerrado
y una multitud fuera está llorando.

Siento un temblor leve, un escalofrío...
Casi nada escucho; nada estoy sintiendo.
¿Por qué no me sacan de este cuarto frío?
Alguien murió mientras estuve durmiendo.

¡Es tan frío el hueco, tan oscuro el huerto
donde depositan mi cuerpo doliente!
—¿Cómo el hueco es frío si el cuerpo está muerto?
A partir de ahora sólo el alma siente.

Traducción: Graciela Cariello
http://revistainternacionaldepoesia18.es.tl/


***

Lluvia

Un cuerpo sobre la mesa -
y fuera el día llora
aguas de la tristeza

***

Prendas de vestir

Ropa, telas,
prendas de vestir,
engaños del cuerpo,
mentiras, disfraces.
Telas y prendas de vestir,
líneas gruesas
o transparente,
obstrucción de caminos ...

***
O tal o cual

Entre el amor o el odio
entre la fé y el no creer
entre la vida o la muerte
entre Dios y el diablo
prefiero esto a aquello.

Poemas libremente traducidos al español por el poeta Fernando Melón Gat

***

SUBSTANCIA
Para Rosangela de Fatima

Mi trovo tante volte pensando a te
e visualizzo la tua perfetta forma di donna,
di giorno a sfiorare le labbra di velluto,
la notte ad accarezzare la seta dei capelli.
Se sei lontano da me, giorno dopo giorno
ti trasformo nella delizia del frutto che apprezzo,

nella frescura dell’acqua che mi sazia la sete
e nella sostanza che mi permette il domani.
Posso sentirti nella soave brezza mattutina,
nei primi raggi del sole che mi riscaldano
e sempre ti vedo in ogni oggetto, in ogni volto,
in ogni goccia di brina della verde erba
e nel battito delle ali delle rondinelle…
sono piccolino davanti alla tua presenza
e oscuro nella tua trasparenza,
ma i miei occhi mantengo serrati
mentre il giorno corre,
finchè l’ora vitale non giunge
finchè ti incontro, nata dal nulla,
fiorita, cristallina davanti ai miei occhi
e bevo dalla tazza delle tue labbra
e m iscaldo al sole del tuo sorriso
e mi sciolgo in infantile allegria
e se ne vanno dal mio volto l’ombra e l’amarezza
e tutto ciò che mi fa soffrire quando non ti ho.
Onda che vieni e che vai
e torni nuovamente
e torni a partire
ma che non si ferma mai.
In questo oceano di delizie che è il tuo corpo
che bagna il mio corpo
che fa nascere il sole sul mio volto.
E’ la delizia, la dolcezza dei miei giorni
e ad ogni ora ti aspetto
per regnare sempre nella mia vita

Per la traduzione in lingua italiana ringrazio Ena Villani (http://www.enavillani.com) ed i suoi amici.

***

Realeza

Por que em tudo quanto vejo cuido vê-la?
Por que não fico um segundo desta vida
Sem pensar na minha amada e esquecê-la,
Se é uma jóia que pra mim está perdida?

A cada fim-de-semana tão sofrido
Me transformo nas flores que lhe oferto,
Mágica forma que creio ter aprendido
Para vê-la, pra senti-la, pra estar perto...

Abdico hoje da tristeza,
Do sofrer e da amargura abdico,
Qual um rei que não quer na dor a realeza.

E como antes, para tê-la eu me dedico,
Para ser rei, mas rei feliz e tenho certeza:
Quando a tiver, serei de todos o mais rico!

***

O teatro

Estreitam-se da nossa Pátria as cercanias,
Cresce a fome com a fuga das divisas, ri a peste.
A Nação, outrora honesta, se rende à tirania
De quem ouro recolhe e de poder se veste.

Queixoso é o povo dessa Lei que o oprime;
A sangria corre solta em cada Estado;
Quem matou se desculpa e se redime:
A Mão do Poder é branca e sem pecado.

Olhem bem, vejam só os desgraçados.
NEROS se protegem na armadura
Dos votos que lhes demos. Fazem festa!

Só nos cabem os ossos rejeitados.
O País é um teatro e A Ditadura
É a peça a que assistimos. Nada resta...

***

A Rosa dos anjos

Ó Rosa que no Céu estás plantada,
Rosa alva dos meus sonhos arrancada.
Tens a cor da bela nuvem em claro dia,
Perfumando os céus azuis da Fantasia.

Ó Rosa santa, das flores mor-rainha,
Tu perfumaste o jardim da vida minha.
Triste Flor na primavera colhida
Por quem de inveja me roubou a fé na vida.

Etérea Flor, se sem querer foi que partiste,
Foge do teu anjo guardião nalgum descuido.
Quem te quer mais que o Céu na Terra existe.

Que a levassem nada fiz por merecer.
Vem, Flor nívea, derramar teu santo fluido,
No jardim que sem teu pólem vai morrer.

***

Terapia do riso absurdo

Contraídos o risório e o zigomático,
Explode em ti sonora gargalhada.
Do veneno do teu riso tão elástico
Minhas cordas também são contagiadas.

Tudo em ti é motivo de euforia
E até o vento faz-me cócegas passando.
De tudo rimos e na falsa alegria
O teu riso com o meu riso vai rimando.

Com o riso tu me enganas e eu te engano;
Se sofremos, damos bah! para a tristeza.
Riamos, que o riso encobre o dano.

Devemos rir, pois só o riso nos sobeja.
Serão bobos? vão dizer. Somos insanos!
E talvez rindo, a triste Morte não nos veja...

***

Os dançarinos

Melancólica e sonolenta, eis a Lua,
Flutuando sobre as águas do oceano.
Alheio a tudo, imerso na noite e no mundo
Meu pensar também vaga neste plano.

Ei-la, imagem erradia na pista do mar,
Entrando, dançando, bailando nas ondas vadias...
Minha imagem também entra, dança, baila
Embalada pela aquátil melodia.

Qual casal de dançarinos da esperança,
Vestidos de amor e de alegria
Deslizamos sobre as águas nessa dança.

Já desperta e alvacenta, eis a Lua,
Causadora dessa bela fantasia
Que nos tira do real e nos flutua.

***

Fantasia (Para Rosangela de Fátima)

Ó bela Flor, purpúrea, serena,
De sutil formosura, eflúvio de rosas...
Desvelada Flor, sublime, amena,
Mescla escarlate das veias ardorosas.

Ó infinita Flor, plácida, aérea,
Rubra Flor dos meus anseios...
Visão indelével, magicamente etérea,
Lampejo de cor dos devaneios...

Ó Ros`angelical, rósea Flor mirim,
Fulgente glória dos meus sonhos,
Cobre-me com pétalas carmim!

Ó majestosa Flor, pujante e sincera,
Sê real! Dissipa a névoa do medonho,
Ó inefável Flor de Quimera...

***

Desvario

Maldigo o frio que gela e entorpece,
O Sol que arde e queima maldigo;
Maldigo a noite que os campos escurece,
A Lua que clareia e embeleza maldigo.

Malditos a vida, o amor, o riso, a paz
E tudo o que me faz sofrer, maldito!
Maldito este a quem nada satisfaz...
Imputo a culpa a quem se diz tão maldito!

Maldita a hora primeira _ a do nascimento,
E todas as outras horas, malditas!
Malditos os momentos maus e os bons momentos,

Maldito o Inferno, malditos a Terra e o Céu!
Todas as coisas que há no mundo, malditas!
Maldito eu! maldito eu! maldito eu!

Sobre su poesía han dicho (en portugués):

Belo Horizonte, dezembro de 1999

Mesmo afastado das salas de aula há duas dezenas de anos, ainda recebo muitos textos para avaliação, a maioria sem qualidade. No último janeiro (já estamos no Natal) descobri quase uma centena de poemas assinados por Remisson Aniceto, nome até então totalmente desconhecido para mim. E o autor roga que eu lhe escreva algumas linhas, o que, após ler su a poesia, não me é nenhum sacrifício.

Confesso que há muito não me interessava pela poesia, mas após me alimentar de tão belos textos meu gosto se renova. É verdade que fui atraído pela essência, pelo tempero, e não pela forma que, cá entre nós, não deixa muito a desejar, não.

A poesia deste autor não parece ser puramente confessional, tampouco assintomática. Entretanto, se não retrata totalmente as suas vivências, também procura se valer do real, às vezes. É como se o olhar do poeta se incorporasse ao olhar dos transeuntes - não à revelia do primeiro - e ele se visse através do observador e se descrevesse. Assim, se de início nos parece uma artimanha do poeta par a se descompromissar de sua poesia, nessa concepção a sua poesia é ele mesmo, analista do olhar cotidiano que o observa.

Ouso dizer, ainda, que os poemas menores, pouquíssimos, não comprometem a excelência da maioria dos textos deste autor que, através da poesia, almeja ser o que não foi, fazer o que não fez, ter o que não teve... Sonho de quase todo poeta.

E como, constantemente, sou atacado pela fome do indissolúvel e pelo desejo do impalpável, recorro aos seus poemas e me sacio. Delicioso néctar da imaginação!

Antoine Verger
Professor e crítico literário